SÉRIE especial: Maira Marim – levantando a autoestima das mulheres

Sexta reportagem especial alusiva ao 'Dia Internacional da Mulher': Maira Marim

0
284
Maira Marim é maquiadora profissional e faz trabalho voluntário em hospitais com mulheres que sofrem de câncer

O blog está publicando uma série de reportagens contando a história de diversas mulheres por ocasião do Dia Internacional da Mulher. A sexta história da série é de Maira Marim, uma destacada maquiadora que além de todos os seus afazeres, encontra lugar para ir a hospitais fazer a alegria de mulheres com câncer.

Maira Marim, chegou aos Estados Unidos em março de 2001, depois de trabalhar como digitadora em um hospital lidando e informatizando laudos de ultrassonografia para gestantes.

Maira Marim é uma dedicada make up. Foto: Studio Art Photo

Paranaense de Ponta Grossa, Maira julga-se uma pessoa muito prestativa e sempre disposta a ajudar ao próximo. “Não sou muito de me expor, talvez pelo fato de ser um pouco tímida e sempre gostei de trabalhar no anonimato e ficar por trás, nos bastidores. Essa sou eu – risos. Não gosto de injustiças e luto até o final para resolver um problema. Sou muito detalhista, principalmente no meu trabalho”, diz Maira.

Mas nem tudo na vida de Maira são flores. Entre passagens boas e ruins, ela conta sobre uma tragédia que marcou a sua vida. “Cheguei na América com meu primeiro marido e viemos em busca de um sonho como todos os brasileiros. No início tudo ia bem, eu trabalhava entregando jornal e ele como mecânico, até que a vida nos deu uma rasteira. Infelizmente meu esposo faleceu depois de um ataque de asma. Na época tinha poucos brasileiros aqui e pensei que meu mundo havia desabado. E agora? O que fazer numa terra onde não falam minha língua, dificuldades com tudo?  Mas Deus nunca me abandonou e eu nunca perdi a fé e por mais que não frequente nenhuma igreja, acredito que nosso Deus é um só e Ele está em todos o lugares. Contei com a ajuda da minha irmã, de amigos e também de pessoas que mal conhecia. Devo muito a elas que me estenderam a mão na hora que mais precisei. Então, veio a dúvida entre ficar ou voltar para o Brasil? No momento do terrível acontecimento pedi muito a Deus que desse uma luz porque quando pedimos com fé Ele responde. Aí pensei, viemos em busca de um sonho e se eu voltasse ia me sentir uma pessoa derrotada”, porém, ela decidiu por permanecer nos Estados Unidos. 

Cleo Couto, foi uma das centenas de noivas que foram maquiadas por Maira Marim. Foto: Studio Art Photo

“Segui meu coração, retomei meu trabalho e fui a luta. Depois de cinco anos casei-me novamente e construi uma nova família. Ao passar dos anos trabalhei com muitas coisas, além de entregar jornal, trabalhei no Wendy’s, trabalhei num asilo no dinner room, fui dishwasher e house cleaning, depois tive meu próprio negócio que era um schedule de limpeza de casas”, prossegue.

Em 2010, Maira resolveu que queria mais, algo que a fizesse se sentir realizada com o trabalho e gostar daquilo que fosse fazer. Então descobriu a sua profissão e vocação. “Eu fazia maquiagem em mim e nas minhas colegas e para mim era e é uma terapia. Aí pensei; será que alguém consegue trabalhar profissionalmente com maquiagem? Será que alguém me pagaria para maquia-la? Foi então que busquei fazer um curso de maquiagem para dar início a uma carreira. Comecei a me informar sobre o que era preciso para ser uma maquiadora profissional em Massachusetts”, afirma. 

Aconteceu aí a virada na vida de Maira, o que ela considera a passagem boa e conta como isto foi possível. “Tive a oportunidade de me inscrever em uma escola de estética, onde fiz o curso com a Flavia Leal. Logo ela me convidou para me matricular na escola que tinha acabado de abrir e para minha sorte estava precisando de uma recepcionista, e fui trabalhar com ela. Na época tinha concluído um período curto de aulas de inglês na Harvard o que me ajudou a conseguir a vaga. A escola leva o nome de Flavia Leal Institute em Woburn, Massachusetts. Devo muito à Flavia ao longo desses anos, pois graças a ela e ao Instituto, hoje sou formada e licenciada pelo Estado de Massachusetts em Estética e Maquiagem. E como Deus é bom logo passei para a administração e fui promovida a Coordenadora Educacional, cargo que ocupo atualmente. E não parou por aí. Nos finais de semana trabalho no Collor Chic Salon, o salão da Cleo Santos, em Lowell fazendo maquiagem em noivas e em mulheres de todas as idades, para festas e eventos e sempre falo que não é trabalho e sim, uma diversão”.

Entre as suas atividades o Instituto e a agenda lotada com maquiagens, Maira, tem uma outra ocupação, que é frequentar hospitais e voluntariamente ajudar pessoas que fazem tratamentos contra o câncer. “Não existe sentimento maior quando eu faço maquiagem em uma pessoa que está ali triste, abatida depois tantas sessões de quimioterapia e de tratamento. Quando ela se olha no espelho, dá um sorriso, agradece e diz fazia muito tempo que não se via tão linda. Não há sensação maior de gratidão e que é algo que não tem preço. É uma forma de eu agradecer a Deus pelas bênçãos que Ele me deu nesse país onde eu posso levar um pouco de autoestima para as pessoas”, diz Maira, sentindo-se orgulhosa da profissão que escolheu por um dom, depois de oito anos, atuando anos no mercado como ‘beauty artist’.

“Hoje sou muito feliz e realizada. Tenho um esposo que sempre me apoia em todas as minhas decisões e a família é a base de tudo. É preciso muita coragem, estudo, dedicação, investimento, e é preciso errar para aprender mais e sobreviver para permanecer, mas os que persistem colhem bons frutos. Minha mensagem para todas as mulheres é a seguinte: você, mulher guerreira que pensa em desistir, lembre-se, que o medo acaba onde a fé começa”, finaliza.

Foto de capa e compartilhamento: acervo pessoal

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here