Série especial imigração: por que a reforma é necessária

0
827

Nota: Este é o primeiro texto opinativo publicado e nos próximos dias, novos textos serão disponibilizados e tratarão do assunto imigração, do quanto os Estados Unidos precisam do trabalho do imigrante, mas mesmo assim trata-o como um indigente, pois nega-se a produzir leis que o beneficie e às suas famílias. Tolera-se o indocumentado porque é uma das forças motrizes desta sociedade carente e dependente ao extremo de braços e mãos que se fossem tirados daqui levariam o país ao caos e a uma crise financeira sem precedentes.

Ter documentos e status de legalidade nos Estados Unidos é um privilégio que é concedido pelas autoridades na medida em que elas julgam ser da conveniência delas e sem dúvida alguma que reconhecemos este privilégio, mas ressaltamos a injustiça que se comete, sem contudo questionar os seus méritos, principalmente porque todos nós trabalhamos e contribuímos para o engrandecimento ainda mais desta nação que nos acolhe.

O grande paradoxo é que o povo que ajuda a fomentar progresso e construir estradas, pode comprar qualquer carro que esteja dentro das suas posses, mas não tem o direito a uma habilitação, pode registrar o carro, mas tem que deixá-lo parado na garagem, pois se dirigir vai transgredir a lei.

É claro que tudo isto faz parte de uma discussão muito ampla e complexa que não cabe num artigo opinativo ou num editorial, mas nada impede que possamos discuti-la sim. Devemos lembrar que a América sempre teve as suas portas abertas para povos de todos os lugares do mundo e foram os primeiros imigrantes que trataram de transformá-la na potência que é hoje.

Ellis-Island-Imigração-1
Italianos, portugueses, gregos, chineses, africanos, sul e centro-americanos estão entre os povos que migraram para os EUA. uns ficaram e contribuíram para o crescimento do país. Outros desistiram e foram embora

Muitos povos diferentes fizeram da América a sua casa e deixaram os seus países para aportar na América e fixar aqui residência. Vieram às multidões. Até o final dos anos 70 no século 20, quase seis milhões de italianos desembarcaram nos Estados Unidos, principalmente em New York City e arredores, onde dominaram bairros inteiros. Grande parte destes italianos eram semi-analfabetos, e sofreram preconceitos por professarem o catolicismo. Os italianos sofreram os desgostos da falta de planejamento e muitos desistiram do sonho americano e voltaram para a sua terra.

Até 1970, os Estados Unidos eram divididos entre brancos e negros e a partir daí a diversidade tomou conta e hoje os hispânicos ultrapassaram os negros em percentual étnico.

Os números da imigração são impressionantes. Entre 1892 e 1924 cerca de 20 milhões de imigrantes passaram pelo posto de controle de Ellis Island em New York, onde está situada a Estátua da Liberdade. Estes imigrantes imprimiram uma nova cara à América em costumes, muito trabalho ao passo que os filhos dos imigrantes que nasceram aqui, tinham um pé em alguma nação do mundo. Uma frase escrita na base da estátua dava o tom de como os imigrantes seriam recebidos na América – Venham a mim as massas exaustas, pobres e confusas ansiando por respirar liberdade. Venham a mim os desabrigados, os que estão sob a tempestade. Eu os guio com minha tocha.

Mesmo assim a imigração sempre foi um problema para os Estados Unidos, principalmente por falta de uma política definitiva que regulamentasse o assunto. Mesmo sendo um problema, a imigração sempre foi tolerada pelo governo americano e a cada ano que passa tende a aumentar cada vez mais.

Imigração-31
A partir dos anos 80, a imigração passou a ser feita através da fronteira com o México e mesmo com todos os riscos, perigos e violência dos traficantes de pessoas – os coiotes, milhões se arriscaram mesmo assim e muitos perderam as suas vidas na travessia

A questão da imigração indocumentada ou ilegal como queiram muitos tornou-se mais evidente a partir dos anos 90 e a década de 2000 por falta de uma política definitiva sobre o assunto. Há de se considerar a reabertura da Lei 245i em dezembro de 2000 e a partir daí, foram oitos anos de aridez do período de George W. Bush e os seis anos de Barack Obama. Hoje, com o crescimento da intolerância, do preconceito, da xenofobia e da manipulação por parte dos conservadores, com os republicanos e os integrantes do Tea Party fazendo todo tipo de pressão para que nada, absolutamente nada seja feito. A prova disto é a lei que foi aprovada no ano passado no Senado, e está parada na Câmara Federal por absoluta intolerância e falta de vontade de que vá adiante. Se fosse votada e aprovada tiraria das sombras cerca de 11 milhões de pessoas que não tem documentos.

Carente de mão de obra não especializada, os Estados Unidos destinam aos imigrantes os postos de trabalho que o americano – invariavelmente – jamais deseja. Com isto a oferta de empregos sempre foi maior que a demanda de mão de obra, sempre farta, pois o que nunca faltou foi imigrante chegando todos os dias aos milhares.

Hoje, grande parte destas pessoas estão nas sombras por falta de documentos, mas contribuindo com o seu suor e dinheiro para que a América seja sempre prospera. Claro que muito há para ser feito, e as autoridades podem e devem impor regras para corrigir este estado de coisas, o que é sim, um direito inquestionável, mesmo que algumas injustiças sejam cometidas, mas isto é para ser discutido em outra oportunidade.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here