PEDÓFILO de Quincy será julgado em julho

Adalberto H. de Freitas é considerado fugitivo da justiça brasileira por ter abusado sexualmente de crianças em Minas Gerais

1
625
Adalberto H. de Freitas é acusado de pedofilia

Preso desde o mês de fevereiro de 2018, o brasileiro Adalberto Henriques de Freitas, que foi acusado de ter abusado sexualmente de crianças na creche clandestina mantida por sua esposa em Quincy, Massachusetts, finalmente vai a julgamento. Freitas será julgado no dia 14 de julho deste ano na Corte Superior de Dedham. 

Adalberto é foragido da justiça de Minas Gerais, onde foi acusado de abusar sexualmente meninas e a sua prisão em Quincy pelos mesmos motivos causou uma grande comoção na comunidade brasileira.

No dia 26 abril, haverá uma reunião entre os advogados de Adalberto e das famílias das crianças que teriam sido abusadas buscando um acordo, para que o acusado se declare culpado. Porém, uma das famílias cuja criança foi abusada, acha difícil que isto aconteça. Os defensores tanto de Adalberto quanto das famílias são advogados do Estado, nomeados pelo juiz do caso.

“Nas audiências, o Adalberto tem se mostrado arrogante e nega que tenha abusado das crianças. Entendemos que ele não vai admitir nada e ninguém quer que as crianças sejam novamente expostas a tantas lembranças e experiências más. Um bandido nunca vai reconhecer que é culpado. Nas audiências ele diz que as acusações não procedem”, disse. Adalberto enfrenta cerca de 21 acusações relacionadas aos abusos sexuais contra as crianças que teria, sido cometidas por ele nos Estados Unidos. Seja qual foi o resultado do caso, o tempo que Adalberto está preso será descontado da pena.

As famílias das crianças abusadas não perdem a esperança de que Adalberto Henriques de Freitas pague pelos crimes que teria cometido aqui nos Estados Unidos. “ Espero que ele pague aqui assumindo ou não a culpa, porque se ele for mandado para o Brasil não ficará preso e é capaz de com a cara de pau que ele tem, que continue abusando de mais crianças. Ele tem que ser julgado aqui e pagar aqui”, finaliza.

Para entender o caso e as acusações contra Adalberto Henrique de Freitas clique aqui, aqui, aquiaqui e aqui.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here