PAI brasileiro que assassinou filha é condenado a prisão perpétua

Walter da Silva já havia sido deportado anteriormente e voltou aos EUA

0
4945
Sabrina DaSilva foi morta pelo próprio pai com nove tiros

O brasileiro Walter da Silva, que em 3 de julho de 2016, matou sua filha Sabrina DaSilva, então com 19 anos a tiros em New Bedford, Massachusetts, por divergências familiares, foi condenado a prisão perpétua, depois de ser considerado culpado de assassinato em primeiro grau, na Corte Distrital de New Bedford. A sentença foi anunciada na sexta-feira, 1 de junho e conforme o acordo judicial, Walter que admitiu culpa pelo assassinato, transporte e posse de arma de fogo e munição só poderá pedir liberdade condicional após cumprir 25 anos de pena. A sentença de Walter foi agravada em três anos depois do cumprimento da prisão perpétua.

Investigações da State Police de Massachusetts sobre o crime, levaram a Walter que foi interrogado e encontraram evidências de que ele era o assassino da própria filha. O U.S. Marshals prendeu Walter no dia 5 de agosto e o acusou de assassinato e apresentou como motivo o fato de Sabrina namorar com um homem mais velho. ‘Eu a matei” disse o brasileiro às autoridades e a oficiais da State Police de Massachusetts.

Documentos apresentados na Corte deram conta de que Walter foi a New Bedford com a intenção de matar Sabrina, o namorado dela, e a sua ex-mulher e em seguida tirar a própria vida. Intimado a depor sobre o caso, teria fugido.

Walter da Silva tem um longo histórico de violência contra sua família, inclusive uma condenação por tentativa de homicídio por esfaquear sua ex-esposa Lilian, mãe de Sabrina em 2002. A pena dele foi de oito a dez anos de prisão e foi posto em liberdade condicional. Walter teria ido embora para o Brasil e voltado aos Estados Unidos, onde teria reatado relações familiares com sua filha, que inclusive o teria visitado em Danbury, Connecticut, local da sua moradia.

Walter e Sabrina teriam trocado mensagens de texto no mês de junho e dias antes do assassinato ele teria mostrado insatisfação com o fato dela se relacionar com homens mais velhos e que ela o desrespeitava com tais atitudes.

Sabrina teria se referido ao pai como ‘assassino, psicótico e violento’, afirmando que achava que algumas vezes ele a queria matar, demonstrando ter medo dele. “Você irá para a prisão novamente, pois é lá onde eu quero te colocar”, teria escrito em uma mensagem de texto.

Quando Sabrina foi morta no estacionamento no conjunto de apartamentos onde morava quando voltava das compras em um supermercado da região, um carro com placas de Connecticut foi capturado em câmaras de vigilância e Walter que estava usando capuz e máscara, teria disparado nove tiros contra a filha que morreu, conforme ele admitiu para os investigadores. A pistola usada no crime foi encontrada na sua casa pela polícia e a perícia constatou que foi a mesma arma do crime. Walter da Silva foi acusado de homicídio em primeiro grau, posse ilegal de arma e porte ilegal de arma de fogo carregada e por causa destas acusações foi acusado e julgado na Corte Distrital de New Bedford.

Fotos: arquivo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here