CARTAS de Boston # XI

Texto e conteúdo de primeira

0
191
Nicolau Maquiavel escreveu um livro em 1513, que reflete a atualidade do poder e da política

XI

Ao escrever o ensaio Politics and the English Language (A Política e a Língua Inglesa), publicado em 1946 na revista Horizon, o escritor George Orwell incluiu seis normas para escrever bem.

Não existe regras para escrever, mas ter em mãos propostas de um escritor do nível de um Orwell ajuda e muito.

E são ideias tão boas que estão no Manual de Estilo da revista Economist, uma das mais bem escritas e prestigiadas do mundo.

1)  Never use a long word where a short one will do.
2)  If  it is possible to cut a word out, always cut it out.
3)  Never use the passive when you can use the active.
4)  Never use a metaphor, simile or other figure of speech which you are used to seeing in print.
5)  Never use a foreign phrase, a  scientific word, or a jargon word if you can think of an everyday English equivalent; and finally.
6)  Break any of these rules sooner than say something outright barbarous.

A ideia no bom e velho português:
1)  Não use uma palavra longa se uma curta resolve.
2)  Se for possível cortar uma palavra, corte.
3)  Nunca use a voz passiva quando puder usar a ativa.
4)  Nunca use figuras de linguagem que você esteja acostumado a ler por aí.
5)  Nunca use uma frase estrangeira, uma palavra cientifica ou um jargão se você puder imaginar uma equivalente do dia-a-dia.
6)  Quebre qualquer uma dessas regras antes de escrever algo que soe tosco. 

O texto era uma crítica a linguagem política, principalmente, mas seus conselhos poderiam ser aplicados a qualquer gênero.

Alguns anos atrás o jornal britânico The Guardian, por exemplo, criticou como escrevemos na internet.

Escrever bem não é nada complicado e causa boa impressão.

Numa época sem tecnologia avançada, ele antecipava o poder do estado e suas instituições sobre a liberdade das pessoas.

E essa preocupação com a linguagem não era algo exclusivo dos escritores profissionais.

Acreditava que certos conceitos como justiça, liberdade e verdade poderiam ser ilusórios.

E tal manifesto fica explícito em seus textos.

Se livrar dos maus hábitos pode ajudar a pensar com mais clareza e pensar com clareza é o primeiro passo.

São dois os problemas principais de muitos textos: as imagens banais e a falta de precisão.

Quando escrevemos, afirma ele, devemos deixar que “o  significado escolha a palavra, e não ao contrário”.

Pensar bem no que vai escrever para evitar surpresas e imagens desgastadas ou confusas, frases pré-fabricadas, as repetições desnecessárias, enganos e imprecisões tão comuns.

George Orwell escreveu até sua morte em 1950, antecipando muitos fatos que testemunhamos hoje e que seriam complicados para alguém prever e sustentar naqueles tempos da máquina de escrever.

Como estudante bolsista no Elton College, escola de elite, entre 1917 e 1921, publicou seus primeiros textos no suplemento da instituição.

Uma curiosidade: Orwell foi aluno de Aldous Huxley, autor do best-seller Admirável Mundo Novo.

Em 1922, alistou-se na Polícia Imperial da Índia e foi para a Birmânia, onde serviu por cinco anos até dar baixa.

Entre 1928 e 1929, morou praticamente pelas ruas da Inglaterra e França pegando qualquer tipo de trabalho e convivendo com mendigos e criminosos.

Nesse período começou a escrever os primeiros rascunhos de sua primeira obra, Down and Out in Paris and London (1933), um relato de suas aventuras pelas ruas de Paris e Londres.

A brutal realidade das ruas, a miséria humana, o descaso do estado, a indiferença da sociedade com os pobres, serviram para estruturar parte de sua obra e sua inclinação ao socialismo.

1934, Burmese Days (Dias na Birmânia);
1935, A Clergyman’s Daughter (A filha do Reverendo);
1936, Keep the Aspidistra Flying (Mantenha o Sistema);
1937, The Road to Wigan Pier (A Estrada para Wigan Pier);
1938, Homage to Catalonia (Homenagem à Catalunha);
1939, Coming Up for Air (Um Pouco de Ar, Por Favor!); 
1945, Animal Farm (A Revolução dos Bichos);
1949, Nineteen Eighty-Four (1984).

Suas obras comprovam sua ternura, revelam parte de sua personalidade e sua contrariedade a um sistema opressor, desigual, injusto e mentiroso.

“Numa época de mentiras universais, dizer a verdade é um ato revolucionário”.

Mais atual impossível!

Por isso seus livros estão mais presentes do que nunca. 

Buscados, lidos, pesquisados e analisados como algo novo. 

Parece que ele é um escritor do nosso tempo, andando por aí, aparecendo na televisão e no celular, participando de lives como um mortal comum.

Lembrando para ficarmos espertos e sussurrando que liberdade e direito são termos abstratos que só os tolos acreditam.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here