AMARELA desbotada…

Torcer por essa seleção mequetrefe do “professor” Tite em solo tupiniquim seria dar aval a uma competição no epicentro da pandemia na América do Sul que já levou mais de 530 mil brasileiros para a morte.

0
292
Um time sem carisma em uma competição que teve um nível fraco

O diário Olé colocou como manchete em sua página na internet depois do jogo: Maracanazo argentino!

E o diabo que foi!

Todos os movimentos sociais – e o futebol é um deles – geralmente refletem o cotidiano em que estão inseridos.

Política e futebol se misturam sim!

Foi uma Copa América feita nas coxas e jogada em gramados de várzea com jogadores absolutamente comuns.

Foram partidas sonolentas e de baixa qualidade.

Uma Copa América com a cara do Brasil e organizada por duas das entidades mais corruptas do futebol mundial.

Exibida pelo SBT, um canal ligado ao governo, com o patrocínio da Havan.

Perfeito.

Foi uma jogada com objetivos claramente políticos.

Um cabo eleitoral e tanto para as próximas eleições.

A conquista da taça seria a vitória da barbárie sobre a civilização.

Mas deram com os burros n’água.

Uma seleção sem apelo popular.

Sumariamente ignorada pela grande maioria dos brasileiros.

Torcer por essa seleção é torcer pela política pública de um presidente omisso, incompetente e genocida.

É apoiar uma figura grotesca que não trabalha e que possuí como livro de cabeceira a biografia de um torturador.

Que vira para uma mulher – filha, esposa e mãe – e diz que ela não merece ser estuprada porque é feia.

Que compara negros a gado.

Que chama Pinochet e Stroessner de estadistas.

Que faz apologia ao nazismo e ao fascismo italiano.

Mussolini também andava de moto com apoiadores para mostrar sua virilidade. Deu no que deu.

Essa seleção brasileira representa a truculência, a estupidez, a homofobia, o atraso, o assédio sexual e o racismo na figura das camisas amarelas das passeatas pinceladas por loiras fajutas e descelebradas pedindo o fechamento do Congresso, do STF, a volta dos militares e do A-5.

Que chamam um delinquente moral e intelectual de mito.

Não. Eu não queria que a seleção ganhasse.

Ela representa o contrário de vida, liberdade e democracia.

Não que a seleção argentina me agrade.

São catimbeiros e se comportam em campo como se ainda jogassem futebol na década de 50.

A conquista da seleção representaria mais alguns passos para trás e nós já perdemos tempo e vidas demais.

Torcer por essa seleção mequetrefe do “professor” Tite em solo tupiniquim seria dar aval a uma competição no epicentro da pandemia na América do Sul que já levou mais de 530 mil brasileiros para a morte.

Uma seleção de homens covardes que sonegam o número 24.

Seria aceitar um presidente que jamais demonstrou o mínimo respeito pelas vitimas da Covid-19.

Que aparece diante das câmeras imitando uma pessoa em desespero com falta de ar rindo com seus asseclas desprovidos de inteligência e humanidade.

Que chama o coronavírus de frescura, de mimimi.

Sem empatia vomita: – vão chorar até quando?

Um presidente que não sabe nada de nada. Que não consegue articular meia dúzia de palavras com o mínimo de coerência.

Um péssimo militar que foi chamado pelo ex-presidente Ernesto Geisel de bunda suja.

Que é acusado de superfaturar notas de gasolina e de empregar fanstasmas em seu gabinete quando era deputado federal e integrava o baixo, baixo clero.

É dar de ombros para a nossa brutal desigualdade social.

É apoiar um governo onde o ministro da economia festeja a alta do dólar para acabar com a festa das empregadas domésticas na Disney.

Das ameaças aos governadores e prefeitos que combatiam a pandemia que ele sonegou o tempo todo.

Um governo de gente perversa e mesquinha, uma trupe de canalhas, capaz de negociatas na compra de vacinas incertas e superfaturadas.

Utilizam a mentira como plataforma de governo. Mentem descaradamente. Acusam sem provas. Jogam ao vento teorias conspiratórias.

Demonstram uma enorme dificuldade com a realidade.

Segundo um estudo da Universidade Federal de Pelotas, coordenada pelo epidemiologista e professor Pedro Hallal, se o Brasil tivesse feito o básico, nada excepcional, poderia ter salvo 400 mil brasileiros da morte.

Não. Definitivamente não. É algo que não podemos ignorar.

Não. Definitivamente não. Torcer por essa seleção é calar sobre esses corpos.

E minha consciência moral jamais permitiria.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here